sexta-feira, dezembro 31, 2004

Instante

Calmo azul infinito
No areal branco e quente
Repouso merecido
Muitos chapéus muita gente

Azul de um mar profundo
Azul mais azul que o céu
Estava um dia tão lindo
Na manhã em que a terra tremeu

No quarto de hotel tremiam
Paredes soltavam-se sorrisos
Mas nem meia hora passada
Havia confusão e gritos

E assim se prova mais uma vez
como a Natureza é inconstante
Demora séculos a criar
E destroi tudo num instante.

segunda-feira, dezembro 13, 2004

Criar

Criar

Do nada que tens na mão
Uma folha branca de papel
Faz um mundo novo

Rasga-a com os dedos,
Com o teu olhar,
Ou com o teu coração

Rasga-a!

Abre-a, abre-te...
como a crisálida,
e cria.

É alma feita verso
a que chamamos poesia!



É um prazer ver nascer em vós a magia da criação. Que as vossas mãos sejam sempre capazes de criar novos mundos, a ver se um dia acertam com a fórmula e todos os sonhos do Mundo se libertam. Não sou eu que escolho o vosso caminho, são vocês que despertam! À minha turma do 8ºB, pela alegria que é lê-los criar poesia!