segunda-feira, julho 11, 2011

Violoncelo (a Margarida Moser)





















Cintura bem marcada
Curvas generosas
Melodias claras
Harmonias deliciosas
E dos  dedos ligeiros
Sons de risos e de dor
Sons fortes, prazenteiros,
Melodias de amor

E os miúdos…
Esses pequenos que te abraçam
Que te chamam quando passas
E tudo em si faz sentido;
Em Si, em Sol, em Dó e até em Fá sustenido!

Enquanto a música fluir
Nesses olhos a brilhar,
Nunca deixes de sorrir,
Ninguém te vai magoar!
E todo o mundo se embala
Num Verão de oiro amarelo
É o teu coração que fala
Pelo arco do Violoncelo!

domingo, julho 03, 2011

A Magnólia

Árvore de imensa beleza
de flores carnudas
perfumadas
Não dão fruto,
não deixam de merecer
ser cultivadas.
A natureza se veste
do que de mais belo tem,
entender o seu porquê
não compete a ninguém.
Nem o porquê do céu azul,
do campo verde ou do sol amarelo,
compete-nos admirar, sentir
e saborear
como tudo isto é belo!