sexta-feira, agosto 28, 2009

Jovens da Ramada recebem medalha de honra.

Na passada terça-feira, 25 de Agosto, a Associação Sócio Cultural Jovens da Ramada (ASCJR) recebeu a Medalha de Honra da Junta de Freguesia da Ramada durante a sessão solene da celebração do 20º aniversário da freguesia. Foi com imensa alegria que vi reconhecido o trabalho, o que muito raramente acontece, das centenas de jovens que ao longo de vários anos têm abraçado o Projecto Jovens da Ramada.


O Presidente da ASCJR, João Pedro Sousa, recebendo a medalha das mãos da Vogal da Juventude e Multiculturalidade, Ana Monteiro . Com tanta fotografia que publicou com a notícia o Jornal de Odivelas não publicou nenhuma deste momento, se precisarem podem sempre copiar daqui.

Pertencer a este projecto é, sobretudo, acreditar que os sonhos são possíveis. É um espaço de descoberta e partilha onde vivências diferentes se encontram e trabalham em conjunto para um mesmo fim. É, também, um espaço de auto descoberta, várias são as histórias de gente que se aproximou para fazer teatro e a acabou a tocar e a cantar, ou que queriam aprender a tocar e às tantas já estavam envolvidos em projectos de teatro, organização de eventos, tertúlias e até em Marchas Populares.
Os segredos da sobrevivência deste projecto são simples:

- Ter objectivo, quanto mais difícil melhor.
- Ter uma identidade cristã, humana, atenta baseada na multiplicidade dos jovens que se reúnem para conquistar novos desafios.
- Aceitar que a diferença valoriza o grupo.

Depois há ainda o tempero de vontade e capacidade de trabalho. Ao contrário de muitos outros grupos não somos um grupo de amigos que se reúne e daí se gera trabalho, somos um grupo de trabalho de onde nasce amizade.

A ASCJR é apenas a face mais visível de um projecto de dinamização cultural que já deu origem ao Rancho Folclórico da Ramada, ao Grupo de Teatro Alquimia do Sonho, ao Grupo de Intervenção Urbana Homens Felizes e a vários projectos musicais como os Trovas Urbanas, ENTE – Estranhos Numa Terra Estranha, Banda da Feliz Idade e Milkshake Leftovers.

Infelizmente a Câmara Municipal de Odivelas e a Municipália, EM insistem em ignorar o potencial desta associação (a única do concelho para além das associações de estudantes e dos escuteiros) e mais uma vez se esqueceu de convidar o Grupo de Teatro Alquimia do Sonho para a mostra de teatro amador que vai decorrer em Outubro na Malaposta. Felizmente há outras Câmaras Municipais que, para além de estimularem o associativismo juvenil local, ainda abrem as portas dos seus espaços a grupos como o nosso. Deixo aqui o meu agradecimento aos Municípios do Sardoal, Loures, Sertã, Sintra, Cascais, Oeiras e Sobral de Montagraço pelo carinho com que nos recebem. E à Junta de Freguesia da Ramada mais do que pela medalha, por todo o carinho e apoio que nos tem dado ao longo de toda a nossa existência.
Por muito que me nos façam, não nos podemos esquecer que somos felizes!

domingo, agosto 02, 2009

Our secret life




Sou eu... lembras-te?
E poderia eu esquecer a tua voz?
Estou diferente...
Estamos diferentes!

Posso?
Podes sempre...
Agora?
Agora não, mais tarde.

Fiz a peça, mas tu não vieste!
Não me disseste.
Tu fugiste, lembras-te?
Tinha de ser,
não aguentava a pressão,
a incerteza, a mentira...

Tens ido a Sintra?
Há sítios mais mágicos...
Quais?
Praias de areia fininha onde és sempre menina...
Cala-te.

Falo de mais?
Falas sempre de mais!
Porque tu não me ouves...
Parvo!
Queria perceber... Explicas-me?
Talk to the hand...

Já sei: ... 'cause the face isn't listening!
Aprendeste algumas coisas comigo...
É, eu gosto muito de aprender, nem sempre gosto é de ser ensinado!
Estúpido!

Há coisas que não mudam...
Muda tudo...
Eu não mudo...
Talvez seja isso que tens de pior em ti...
A imutabilidade?
A falta de consciência!

Sentes culpa?
Sinto sempre...

Vais desligar?
Vou...
Voltamos a falar?
Um dia... who knows?

Vejam bem... 80 anos.


Parabéns Zeca pelo teu 80º aniversário.

Prenderam-me as minhas mãos e os pés
Vendaram-me os olhos com a informação
Calam-me os gritos na garganta
Vampiros desta nação
Já não se escondem nos becos
Pavoneiam-se na televisão
E numa tertúlia tardia
Uma miúda engraçada
Que nunca te viu cantar
Solta o que tem na garganta
E a emoção é tanta
que oiço Portugal a cantar!



Lua Cheia



Lua amiga e companheira

Que iluminas o breu secular

Da noite longa e derradeira

Em que serena respiro

E nas estrelas aspiro

A ânsia de te amar.

Redonda, grande e branca

Clara, amiga e franca

Ó lua cheia eterna

Que na tua beleza serena

Encontro o sentido de amar

E a vontade de sonhar

Luar brilhante obscuro

Em que profundamente procuro

O sentido da minha vida

Que por ironia do destino

Pensava para sempre perdida

No ser de outrora sem tino.


L. Santos