sábado, fevereiro 27, 2010

Se me vires por aí...

Se me vires por aí,
perdido sem saber o norte,
acolhe-me.

Aperta-me no teu regaço,
afaga-me no teu seio,
diz que não vais deixar que aconteça
o que eu mais receio.

E mesmo que não o sintas,
que saibas que é tudo mentira, sorri...
e diz-me com a voz doce com que me fazes encantar,

diz o que quiseres,
como quiseres,
porque se tu disseres
eu vou acreditar.

terça-feira, fevereiro 23, 2010

Sal



Lembro-me do Sol
e do azul do Mar
da terra distante,
o horizonte, um instante,
um doce veleiro
a navegar.

Lembro de ti,
sentada à ré,
com as pernas cruzadas
algumas madeixas em desalinho
eras princesa
no suave barquinho
que tão bem enfeitavas!

Eu de pé na proa
mirando
o moreno da tua pele
com o desejo
a pintar-me imagens loucas,
aventuras ousadas,
perdido entre as vagas
do mar
salpicando atrevido
as tuas longas coxas.

Ferve-me no peito a paixão
tremendo desvario
de um delírio terminal.
Invade-me o desassossego
desse desejo animal
caricia feita vento
boca pele e num momento
lamber de ti o teu sal!

quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Chama - A Partir de uma fotografia de Luciana Fonseca


De Mrs. Lucciana • Albuns: Fotografias

Sinto o teu calor
e a luz intensa
no secreto arder
que me atormenta

Quero er pavio
que a tua chama
alimenta

Quero que me guardes
me protejas do frio.

Quero ser leite no teu mel,
ser fluxo no teu rio.

Por mais quente a chama,
conforta sem queimar
aquele que ama
aquele que a ousa amar!

quinta-feira, fevereiro 04, 2010

SE...



Se o Sol gravasse no teu peito o meu nome
Se em labaredas acendesse o desejo
E a tua carne em vermelho fogo
Consumisse os meu dedos?

E sem mãos não pudesse mais escrever.

E se num louco beijo perdesse a língua
E num abraço os braços,
E os olhos cegassem ao ver-te.

Que seria eu?

Sem palavras escritas,
falada ou ditas
num olhar cúmplice
e silencioso .

É que o amor não se faz mudo,
E o poeta sem dizer
é um amante castrado
que não merece viver!