quarta-feira, dezembro 28, 2005

Porque - Sophia de Mello Breyner Andresen

Porque

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN



Como estas palavras me tocam cá no fundo.
Porque é preciso coragem para ser diferente,
porque o mundo não aceita toda a gente.
Porque neste mundo estão muito frios os corações,
mesmo deste povo que, no Natal, só sms enviou 750 milhoes!

terça-feira, dezembro 13, 2005

Natal

Quente guardado em segredo
nesse misterioso berço,
menino que vais nascer
que eu não sei se mereço.

Pudesse aplanar teu mundo
excluir todo o mal,
Dar-te de presente o futuro
numa manhã de Natal.

segunda-feira, dezembro 05, 2005

Vi(R)agens


Passo, passo, passo
viagem dura que faço

sempre, sempre, sempre
não parar, seguir em frente

volta, volta, volta
não volta, voltar é derrota

Perna, pé, agita a mão
olhos em frente, bate o coração

E a gente sente,
não parar
Cada etapa é um novo começar.

Cada etapa é uma viagem,
Cada curva é uma viragem!

Para o Pedro