terça-feira, setembro 27, 2005

Nada em ti

Há uma folha branca sobre a mesa de tábua
em que te desenho.
Em que ponho tudo o que de ti sei, vejo ou sinto.
Desenho simples, a preto...
Quero pôr no papel tudo o que um dia senti.
Guardar para mim as memórias todas.
Nada em ti!

1 comentário:

Anónimo disse...

... Não temos já nada para dar.
Dentro de ti não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Adeus.

Eugénio de Andrade