segunda-feira, junho 28, 2010

Insónia




Sabia-me a ti a noite
porque o sabor que tinha
não era o teu sabor
mas aquele que eu imaginei que fosse.

A frescura do mar na tua pele
e as gotas de sal na minha língua,
a mesma com que articulo
no vazio as palavras que te não dou.

Hoje não durmo,
fico aqui acordado contigo.

2 comentários:

Tininha disse...

Lindo.

Anónimo disse...

Que bom, pensar no dia inteiro.
Sem pensar se nasce ou morre.
Saber apenas que há madrugada,
entardecer e Poesia na vida.

paula nunes