segunda-feira, fevereiro 02, 2009

Vida de Marinheiro (a João Aguardela)





Quantos bares ficam ainda por navegar
neste cinzento molhe de onde partes
Recolhe-te hoje o Caronte
na sua barca das Artes

Levas o grito na garganta
um canto com harmonia
Levas o peito liberto
da terminal agonia

As Tágides levam-te ao largo
em nós deixas a lembrança
de um acordeão que toca
enquanto o cantor dança.

O músico tem a alma por fora
do corpo que os pais lhes emprestam
E na suprema composição
deixam-nos presos à saudade
enquanto por fim se libertam.


A João Aguardela (1969/2009)

Sem comentários: