terça-feira, fevereiro 23, 2010

Sal



Lembro-me do Sol
e do azul do Mar
da terra distante,
o horizonte, um instante,
um doce veleiro
a navegar.

Lembro de ti,
sentada à ré,
com as pernas cruzadas
algumas madeixas em desalinho
eras princesa
no suave barquinho
que tão bem enfeitavas!

Eu de pé na proa
mirando
o moreno da tua pele
com o desejo
a pintar-me imagens loucas,
aventuras ousadas,
perdido entre as vagas
do mar
salpicando atrevido
as tuas longas coxas.

Ferve-me no peito a paixão
tremendo desvario
de um delírio terminal.
Invade-me o desassossego
desse desejo animal
caricia feita vento
boca pele e num momento
lamber de ti o teu sal!

Sem comentários: