domingo, janeiro 06, 2008

Linha da Costa

Eram ventos e chuvas
a fustigar o navio
no convés solitário
o marinheiro com frio

ergue os olhos ao céu
num grito silencioso
pede um porto-abrigo
onde achar algum repouso

E no meio do desespero
na noite mal iluminada
irregular linha da costa
por criança desenhada

Buscando acolhimeto
ruma à praia que vê
bate a barcaça na rocha
morreu, não soube porquê.

Sem comentários: